sábado, 19 de julho de 2008

O MESSIAS, O UNGIDO DE DEUS É PROFETIZADO

Além das tipologias encontradas no Antigo Testamento encontram-se também muitas profecias diretas ao nascimento do Messias.
Após serem apresentadas, quanto mais aproximava sua realização, mais nítidas estas mensagens se tornaram. A profecia em Gênesis 3.15 diz que o descendente da mulher (Cristo) iria ferir a cabeça da serpente (Satanás). Esta é a primeira promessa de derrota de Satanás por um membro da raça humana.
"E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." (Gênesis 3.15)
Tempos depois temos uma profecia ainda mais especificada pelo profeta Isaías (Isaias 7.14).
"Porque há de acontecer que naquele dia assobiará o SENHOR às moscas, que há no extremo dos rios do Egito, e às abelhas que estão na terra da Assíria;" (Isaías 7.14)
Vemos também o profeta Daniel vaticinando sobre as 70 semanas. Nesta profecia cada semana significa um ano, e assim cada semana refere-se a um período de sete anos. As 70 semanas compreendem, portanto, (70X7 = 490) anos.
As 70 semanas que o Senhor tinha determinado para restaurar o seu povo (Daniel 9.24-27).
"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador." (Daniel 9.24-27)
Inicia a contagem das 70 semanas a partir do decreto de Artaxerxes, para restaurar e reedificar Jerusalém, conforme poderá ser visto em (Neemias 2.4-9).
"E o rei me disse: Que me pedes agora? Então orei ao Deus dos céus, E disse ao rei: Se é do agrado do rei, e se o teu servo é aceito em tua presença, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a reedifique. Então o rei me disse, estando a rainha assentada junto a ele: Quanto durará a tua viagem, e quando voltarás? E aprouve ao rei enviar-me, apontando-lhe eu um certo tempo. Disse mais ao rei: Se ao rei parece bem, dêem-se-me cartas para os governadores dalém do rio, para que me permitam passar até que chegue a Judá. Como também uma carta para Asafe, guarda da floresta do rei, para que me dê madeira para cobrir as portas do paço da casa, para o muro da cidade e para a casa em que eu houver de entrar. E o rei mas deu, segundo a boa mão de Deus sobre mim. Então fui aos governadores dalém do rio, e dei-lhes as cartas do rei; e o rei tinha enviado comigo capitães do exército e cavaleiros." (Neemias 2.4-9)
Estes anos se dividem em três grupos de anos distintos:
Primeira parte da revelação (Daniel 9.25) fala de 7 semanas (7 X 7 são 49 anos) a partir da ordem para reedificar Jerusalém (Daniel 9.25). O que aconteceu em (15/03/445 a.C).
"Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos." (Daniel 9.25)
Não se sabe a que evento está ligado o fim da contagem estes primeiros 49 anos (7 períodos de 7 anos). O trabalho de edificação dos muros de Jerusalém (Neemias 2.1) até o muro ser inaugurado (Neemias 6.15) passaram 52 dias.
"Sucedeu, pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que estava posto vinho diante dele, e eu peguei o vinho e o dei ao rei; porém eu nunca estivera triste diante dele". (Neemias 2.1)
"Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco do mês de Elul; em cinqüenta e dois dias." (Neemias 6.15)
A segunda parte da revelação: (Daniel 9.25) fala de 62 semanas (62 X 7 são 434 anos), que somadas às 7 primeiras semanas supra citada definiriam o tempo a partir do início da restauração de Jerusalém, até o Messias. (Daniel 9.25).
"Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos." (Daniel 9.25)
Pode ser observado que desde a ordem de edificar aquela cidade até a entrada triunfal de Jesus na Cidade Santa (Mateus 21.1-10) passaram-se exatamente (7 +62 = 69) 69 semanas de anos, ou seja, (69X7) 483 anos.
"E, quando se aproximaram de Jerusalém, e chegaram a Betfagé, ao Monte das Oliveiras, enviou, então, Jesus dois discípulos, dizendo-lhes: Ide à aldeia que está defronte de vós, e logo encontrareis uma jumenta presa, e um jumentinho com ela; desprendei-a, e trazei-mos. E, se alguém vos disser alguma coisa, direis que o Senhor os há de mister; e logo os enviará. Ora, tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta, que diz: Dizei à filha de Sião: Eis que o teu Rei aí te vem, Manso, e assentado sobre uma jumenta, E sobre um jumentinho, filho de animal de carga. E, indo os discípulos, e fazendo como Jesus lhes ordenara, Trouxeram a jumenta e o jumentinho, e sobre eles puseram as suas vestes, e fizeram-no assentar em cima. E muitíssima gente estendia as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores, e os espalhavam pelo caminho. E a multidão que ia adiante, e a que seguia, clamava, dizendo: Hosana ao Filho de Davi; bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas! E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este?" (Mateus 21.1-10)
A terceira parte da revelação: Jesus foi rejeitado pelos judeus condenado, e morto na cruz. O povo presente na condenação clamou (Mateus 27.25).
"E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos." (Mateus 27.25)
Israel era o povo especial, representante do Senhor no mundo e fazia parte como ramos naturais da oliveira" (Romanos 11.24).
"Porque, se tu foste cortado do natural zambujeiro e, contra a natureza, enxertado na boa oliveira, quanto mais esses, que são naturais, serão enxertados na sua própria oliveira!" (Romanos 11.24)
Os judeus rejeitaram Jesus (João 1.11).
"Veio para o que era seu, e os seus não o receberam." (João 1.11)
Por isso foram quebrados da Oliveira, isto é, foram rejeitados pelo Criador (Jeremias 11.16; Rm 11. 19,20)
"Denominou-te o SENHOR oliveira verde, formosa por seus deliciosos frutos, mas agora à voz de um grande tumulto acendeu fogo ao redor dela e se quebraram os seus ramos." (Jeremias 11.16)
"Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme." (Romanos 11.19,20)
Em seu lugar foi enxertado a Igreja (Romanos 11.17-19).
"E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti. Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado." (Romanos 11.17-20)
Iniciou então a dispensasão da Graça formada por todos aqueles que Deus purificou para si (Tito 2.14).
"O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras." (Tito 2.14)
Nós somos agora a coluna e a firmeza da verdade (1 Timóteo 3.15).
"Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade." (I Timóteo 3.15)
Quando Deus rejeitou Israel por ter rejeitado o Messias, parou a contagem do tempo, uma vez que as 70 semanas estavam determinadas para os judeus.
Resta ainda uma semana, a última. Não se sabe a duração deste intervalo, porque ele findará com o arrebatamento da Igreja.
Com a vinda de Jesus, o impedimento para a manifestação do Anticristo será tirada (2 Tessalonicenses 2.7,8) e começará a contagem da Septuagésima semana, o período da Grande Tribulação.
"Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda;" (II Tessalonicenses 2.7,8)
As profecias relacionadas ao Messias contidas no Antigo Testamento vaticinam suas muitas funções que seriam desempenhadas por Cristo quando de sua vida terrena.
“Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa.” (Atos dos Apóstolos 16.31).





visite o blog:
evangelismo-teologia.blogspot.com
pregandooevangelho-evangelho.blogspot.com




Um comentário:

Rodrigo disse...

Que o nosso Amado, Soberano, Querido Deus,possa continuar te ungindo.Que essa palavra possa alcançar os confins da terra.

Deus te abençôe e também a sua GRANDE auxiliadora, nossa querida Bate.